Manifesto de uma boa tatuagem (parte i)

Muitas imagens salvas no celular, pastas e pastas de referência no Pinterest e aquela grana que tu podia ter gastado no bar com a galera está guardada para a próxima tatuagem.

Você também sente falta daquele zumbido, né? Daquela dorzinha gostosa? Então acompanha essa primeira postagem do blog que vamos falar como achar bons profissionais e, principalmente, de biossegurança.


Se você já sabe o que quer tatuar, o segundo passo é encontrar a criatura maravilhosa que fará esse sonho se tornar realidade - e não estamos falando do Netinho de Paula, não! Pesquisar um bom profissional não é medir a qualidade do trabalho pelo numero de seguidores e nem optar por quem cobra preço de banana. Muitas coisas aqui tem que ser analisadas. O trabalho produzido.

Se a sua ideia é ter uma tatuagem realista, aquarelada, geométrica ou qualquer outro estilo, você precisa achar alguém que faça bastante esse tipo de trabalho. Não adianta tu gostar do trabalho de fulano que é fineline e pedir pra ele fazer um old school no teu braço. São dois estilos muito diferentes e que pode se tornar uma frustração tremenda.

Já teve gente me procurando pra fazer realismo ou aquarela, estilos que eu não chego perto (ainda - e preciso de muito estudo pra conseguir aperfeiçoar as técnicas usadas). Então vamos pesquisar profissionais que tenham como portfólio/vitrine o estilo que você deseja.

Outra coisa que também pode te frustrar é achar que está economizando uma grana com alguém que te vende um sonho e te dá um pesadelo.

Uma tatuagem no dedo (aquele coração basicão por exemplo) pode variar de 100 a 250. Se te passarem menos do que isso, corre. É triste mas tem gente que tá no mercado da tattoo por "status" ou por achar a profissão "fácil" e não estuda luz, sombra, proporção, perspectiva e vai te iludir com um trampo de ouro e te dar uma dor de cabeça dos infernos. E ainda tem mais: tem uma galera que usa agulha suja pra tatuar outras pessoas. Já vi e ouvi muita história de trambiqueiro que reutiliza material como agulha, luva, biqueira...

Felizmente hoje há materiais descartáveis no mercado. Antigamente o tatuador fazia as próprias agulhas e esterilizava na autoclave. Agora elas já vem prontinhas. É comprar, usar e descartar ADEQUADAMENTE. Para fazer uma tattoozinha (como a do exemplo do coração no dedo) precisamos de: - agulha descartável - biqueira descartável ou de aço (muito bem esterilizada na autoclave) - protetor de máquina (protetor aqui é aquele plástico que colocamos na máquina) - protetor de clipcord (o cabo da máquina) - luva nitrílica (porque a de latex é bem menos resistente e em 15 minutos já nem faz mais efeito) - batoque - plástico pvc (pra isolar tudo que formos tocar) - álcool - sabonete bactericida (como lifeboy ou clorexidina que é de uso hospitalar) - almotolias (aquelas garrafinhas que guardam a água com sabonete bactericida)

Tudo isso para cada pessoa que for tatuar um coraçãozinho no dedo e se for fazer algo maior são mais batoques, mais luvas, mais protetores... e tem gente que ainda acha caro termos todo o cuidado com a saúde de todes.


Qualquer pessoa tem o direito de pedir para que a bancada seja feita na frente dela. Que as agulhas e biqueiras sejam abertas na frente dela, assim como tem o direito de ter o descarte sendo feito na frente dela também.


Eu já escrevi muito aqui e não sei se todes chegaram neste último parágrafo. Sim, último porque é um assunto sério e por isso, extenso e iremos dividi-lo para não ficar cansativo.

Se quiser acrescentar algo, se tiver alguma dúvida, pode deixar nos comentários que a gente conversa!


© 2023 by Urban Artist. Proudly created with Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now